Sobre

Graffiti \Graf*fi"ti\, s.m.
desenhos ou palavras feitos
em locais públicos. 
Aqui eles têm a intenção de 
provocar papos sobre TI e afins.

O Graffiti mudou!

Visite a nova versão em pfvasconcellos.net

Popularidade = problema. O site do Ubuntu não agüentou a carga ontem, data do lançamento oficial da versão 7.04. Marketing do tipo "faca de dois gumes". Confirma a crescente demanda pelo simpático SO. Mas mostra uma certa inocência de seus distribuidores. Baixei minha cópia via Torrent. Sem dores. Puxava de 20 caras e servia outros tantos. Essa é a forma mais moderna de se distribuir conteúdo digital. Moderna, escalável, confiável, limpa... Os caras da Canonical (distribuidora do Ubuntu) deveriam ter incentivado esse tipo de "download". O 'mirror' brasileiro, por exemplo, só oferecia a opção HTTP. Terrível. Mas tudo bem.

E melhorando. Confirmando um comentário que o Nelson deixou por aqui, Michael Dell apareceu com o Ubuntu 7.04 instalado em um notebook. Ou seja, o namoro passou da fase das mãos dadas e beijinhos na bochecha. Lembrando a motivação da Dell: segundo um de seus executivos, mais de 100k clientes da Dell pediram Linux em suas máquinas. 100 mil e contando...

3 responses to "Ubuntu: Derrubando Sites"

  1. Tudo que eu quero. Ver o Linux e o Mac OS crescendo! É bom ter concorrentes, né? Vamos ser se assim a Microsoft se mexe e oferece um Windows mais seguro, mais bem feito, etc.

    Na minha opinião, a Microsoft deu um tiro no pé quando exigiu um hardware insano para a instalação do Vista. Em tempos de migração para a web, o que deixa a pessoa mais feliz é poder rodar seus aplicativos sem a necessidade de uma "super, hiper" máquina. O Linux e o Mac OS oferecem muito mais do que o Vista (na minha humilde opinião), por muito menos (preço do software e configurações da máquina).

    Até onde vai o reinado da Microsoft? O Explorer só desce a ladeira. Acredito que agora é a vez do Windows.

    Eduardo Marques

  2. Oi Eduardo,

    Eu não consigo deixar de pensar na lógica. Nem num graffiare que pintou por aqui há pouco tempo: monopólio é tudo que não existiria se a gente tivesse a chance de começar de novo. Acho que estamos, de certa forma, começando tudo de novo.

    []'s

    Paulo Vasconcellos

  3. Por falar nisso, será que as cadeiras já começaram a voar? rs!

    Abraços.

    Nelson Biagio Junior

Leave a Reply