Sobre

Graffiti \Graf*fi"ti\, s.m.
desenhos ou palavras feitos
em locais públicos. 
Aqui eles têm a intenção de 
provocar papos sobre TI e afins.

O Graffiti mudou!

Visite a nova versão em pfvasconcellos.net

Com suas ações valendo cerca de US$500 a* Google tomou coragem e colocou a faca entre os dentes. Erick Smith, o CEO-cortina para a dupla Page+Brin, escreveu uma declaração de guerra na The Economist. Saca só:

... what’s surprising is that so many companies are still betting against the net, trying to solve today’s problems with yesterday’s solutions. The past few years have taught us that business models based on controlling consumers or content don’t work. Betting against the net is foolish because you’re betting against human ingenuity and creativity.

...

Cloud computing is hardly perfect: internet-based services aren’t always reliable and there is often no way to use them offline. But the direction is clear. Simplicity is triumphing over complexity. Accessibility is beating exclusivity. Power is increasingly in the hands of the user.

...

We’re betting on the internet because we believe that there’s a bull market in imagination online.


Um pouco de 'achismo': demorou! Demorou pra* Google dizer claramente quais são as pedras em seu caminho. Agora, ainda que implicitamente, o grande inimigo está identificado: és tu, MS mon amour!

Erick leu a "Arte da Guerra". E avança exatamente no momento em que o inimigo promove uma grande mudança (Vista + Office 2007). Última gota de 'achismo' (por hoje): o Ano 'A' é 2009. Depois eu explico.

===

* Qual o 'sexo' da(o) Google? Acabei adotando no Graffiti o padrão utilizado por quem traduziu "A Busca", de John Battelle. O Google é o mecanismo de busca. A Google é a empresa. Fica mais fácil assim.


2 responses to "Google Beligerante"

  1. Mas se pensarmos assim, não seria só a Microsoft. Poderia ser qualquer empresa que tem sua base de aplicativos offline, não? Apple por exemplo.

    Claro que a Microsoft seria a maior delas, por dominar o mercado. Mas todas elas seriam, não?

    Eduardo Marques

  2. Sim Eduardo, todas as empresas 'acostumadas' com a venda de pacotes serão (ou já são) desafiadas.

    Mas todo bom estrategista mira o principal oponente. Mesmo que ele passe um tempo 'comendo pelas beiradas', seu alvo é claro e explícito.

    Paulo Vasconcellos

Leave a Reply