Graffiti \Graf*fi"ti\, s.m.
desenhos ou palavras feitos
em locais públicos. 
Aqui eles têm a intenção de 
provocar papos sobre TI e afins.

O Graffiti mudou!

Visite a nova versão em

Irritando "Testers"

30 setembro 2005

Sequência (não programada) do post "Matando 'Betas'". Em 16/ago eu reportei que alguns 'beta-testers' do novo Visual Studio pediram pra MS adiar o lançamento do produto. Tava muito 'bugado', lento.. coisas assim, corriqueiras (naquela ffc*). A MS dispensou o refresco. Manteve a data de 7/nov para lançamento do novo Visual Studio Team System, simultaneamente com o SQL Server 2005.

Aí quem recebeu o RC (release candidate) reparou que alguns 'features' tinham simplesmente desaparecido:

"I have installed VS 2005 RC and I am confused...I cannot see any menu items to the Team functionalities. How can I connect to a team server?
Am I the only one in this situation or was the Team stuff left out of the RC? I did a full install by the way.
Did I miss something? Thanks."

[Trecho surrupiado d'um forum]

Descobriu dias depois um tal 'Beta 3' (pós-RC!). Descobrirá em alguns dias (?) que provavelmente só na próxima copa verá o produto completo.

Dúvida #1: pra q serve um programa 'beta' se vc não ouve os 'testers'?

Dúvida #2: qual o tamanho do tapete dos caras?

Dúvida #3: será que a raposa cai pra segundona?

What is the legal status of dwarf tossing? Did people really worship Jesus Christ's foreskin as a relic? Where was crushing by elephant used as an execution method? And who is the mysterious galactic ruler Xenu at the heart of Scientology?

You won't find the answers in Encyclopædia Britannica. Only one place contains them all: Wikipedia. The free online encyclopedia has become the largest, most wide-ranging and most untamed reference work in history.

So how does one find experts on the Holy Prepuce, or punishment by pachyderm? Simple: let them come to you. Wikipedia is written and edited entirely by volunteers from around the world. For nearly 20,000 regular editors, the only reward is in sharing their knowledge and expertise.

Beyond the funny and bizarre, there's also the serious and scholarly. Anyone who wants to learn about the Milgram experiment, the 1755 Lisbon earthquake, or Trinidad and Tobago's Democratic Labour Party will find detailed articles with extensive references. But this is no boneyard - it's also updated in real-time, with up-to-the-minute coverage of elections, hurricanes, terror attacks or other breaking news of the day.


In a radical move, the whole encyclopedia was moved to a freely-editable wiki site. Less than five years later, Wikipedia's English edition has produced over 700,000 entries (compared with a paltry 120,000 in Encyclopædia Britannica and 68,000 in Microsoft's Encarta). In total, Wikipedia's global community has written over two million articles in more than 100 languages, including Esperanto and Sanskrit.


Pq é um graffiare? Pq é um artigo escrito por A.J.Jacobs da revista Esquire.
E publicado na própria Wikipédia.

O Note do Negroponte

29 setembro 2005

Quem me conhece (ou vem aqui de vez em quando) sabe que sou fã incondicional do Nicholas Negroponte. Só as provocações que ele fazia na Wired (que saudade) e seu livro-filho único, "A Vida Digital", já justificariam minha admiração. Mas eis que o cara reaparece (na verdade, desde o ano passado) com o projeto do Note de US$100. Dizendo ser o projeto mais importante da sua vida!!

Trecho surrupiado da ZDNet:

"While the system is spartan in design (for example, it will incorporate a deliberately thinned down version of the Linux operating system), it is unusually advanced in that it bears some characteristics not found in some of today's most advanced notebooks. For example, not only is it a goal of the Labs to get the price under $100, the system is made of rubber so that when it closes, it's hermetically sealed to protect it from the elements such systems might be subjected to (for example, in the jungles of Cambodia). The system has a retractable crank that can be used to generate 10 minutes of power for every one minute of cranking and the display runs in a dual mode: one as a typical color TFT panel for regular "computing" and the other a black and white mode that conserves a significant amount of power and that essentially turns the system into a electronic book. According to Negroponte, as an e-book, governments can hide some or all of the cost of the laptop in budgets that currently cover the purchasing of textbooks for children.

"Not only is the project well under way, it has corporate sponsors (AMD, Red Hat, and Google for example) as well as customers. According to Negroponte, the project is working with China (where there are 220 million students in primary or secondary school) as well as Brazil, Thailand, Egypt, and South Africa. Negroponte was also involved in the State of Maine's Learning Technology Initiative where laptops will be given to every 7th and 8th grade student as well as all teachers. Massachusetts recently adopted a similar program that Negroponte was instrumental in as well. In his keynote speech to attendees (one that he admitted included his first PowerPoint presentation, ever), Negroponte said that someone tried to place an order with him during the breakfast before the event. He advised them to first come see the prototype at the WSIS on November 17.

"As a side note, the notebook isn't slated to have or need the big honkin' hard drives that today's system have. Where will all that data be stored and what applications will be used in the process? Make a note that Google, already specializing in rich thin-client applications, is a project sponsor. Then, see my treatise on the Google PC. Connect the dots while considering my additional thoughts about the impact on Microsoft."


"Whereas there are plenty of naysayers who say the $100 laptop cannot be done, Negroponte appears to be on a course to prove them wrong. During the presentation, Negroponte said:

"50 percent of cost of today's laptops is in sales promotion, marketing, etc. We have none of that cost. The rest of it is the display — and we have a lot of expertise working to bring the cost of that down to $35. As for the rest of the parts, at least 75 percent of it is there to support the weight of the operating system…I'm not just picking on Microsoft. This is true of Adobe and others as well. Invariably, next release [of software] is worse than next one… It's gotten so fat, so slow, so obese, so unreliable that it's time to start over and dumb it down with skinny Linux — skinny open source."

Fácil gostar do cara, né? O artigo original termina assim:

"It's no wonder that Negroponte considers this to be his life's most important work. If he's successful, it'll probably put him on track for a Nobel Peace Prize as well."

"Great souls have wills; feeble ones have only wishes."
- Provérbio Chinês

graffiare #168

28 setembro 2005

"There're weaknesses in everything we're doing today, but it's such a huge step up from where we were."
- Jim Allchin (Chief Windows Architect)

Pigs On The Wing (Part Two)

27 setembro 2005

You know that I care what happens to you
And I know that you care for me
So I don't feel alone
Of the weight of the stone
Now that I've found somewhere safe
To bury my bone
And any fool knows a dog needs a home
A shelter from pigs on the wing


Alguns já falam que se trata do mais importante blog corporativo no mundo! Talvez não fosse a intenção do cara, mas ele conseguiu fazer barulho. Explico: há mais de 1 ano um funcionário da MS mantém um blog, o Mini-Microsoft, que é, digamos, bem ácido. A BizWeek conseguiu entrevistar o cara. Mas na MS ninguém parece ter idéia de quem é o sujeito. O tal "garganta profunda" do caso BallmerGate. Saca só o naipe do cara:

"It's time for Bill and Steve to go. Bill was never a great CEO and never really wanted that kind of responsibility. Steve wanted it, but has proved a failure.

"The list of reasons why is long, but their worst mistake was with anti-trust. Today they celebrate each successive billion dollar settlement as evidence of a brighter tomorrow, but the case that defined Microsoft as a law-breaking monopolist never should have gone so far. That drawn out ordeal and its aftermath have taken a terrible toll on Microsoft's reputation and employee morale. The beating they took likely also explains the current bunker mentality and their neurotic hoarding of mountains of cash. Their instinct to do so is understandable, but not acceptable.

"The company can be healed, but only new leadership, untainted by the sins of the past, will have the credibility to do it. An outsider can make a truly objective assessment of what must be done. Only someone without an emotional attachment can make the difficult decisions and then follow through. A non-billionaire at the helm will have the kind of financial incentive a "made man" never could.

"Unfortunately, as long as Windows and Office continue to gush cash, there will be no obvious emergency to spur the board into action. But this is a mistake. Change should happen now before Microsoft becomes AT&T.

"Saying goodbye to such central figures will be difficult, but Microsoft, more than any other company, has proved its ability to reinvent itself. It will do so again. Bill and Steve built a great company, but their time has now passed."

Dizer tchau pro Ballmer é fácil. Agora o Bill Gates é uma lenda viva. Sua imagem é indissociável da MS. Ele errou sim em suas visões (há tempos sua miopia é nítida.. argh!). Mas BillG nunca aceitaria uma função a la "rainha da Inglaterra". "PR é a mãe", ele diria.

Mas Mini não está só. Em seu blog existem centenas de comentários de outros funcionários da MS. Saca só um exemplo:

"To your question, Bill has to go too - no doubt. Not only is he complicit in many of the items listed for Ballmer but as you suggest, no new CEO could actually govern effectively with Bill there. Plus, what's really improved technology-wise since he took over as CTO? MSFT likely needs an outsider just as IBM did with Gerstner who can evaluate the facts as they exist w/o sentementality/baggage, make the appropriate changes (many are going to really hurt) and set an appropriate new course. Personally, I think the market would actually reward a change at the top - it would send a message that the board is serious, the mgt team is accountable, the company isn't resigned to it's current fate and this isn't your grandfather's MSFT. Of course, we could simply do nothing and continue the inevitable downward spiral."

Já o Ballmer é o maior caso de 'board' tolerante (mansidão bovina?) já registrado na história do capitalismo estadunidense. Mini mostra brevemente o tamanho dos erros do cara:

".invested $10B's in various "emerging" businesses that even years later represent only about 10% of MSFT's revenue, aren't growing at even 10% (in BSol's case, not growing at all) and collectively aren't profitable"
[BSol = Business Solutions, aquele papo de Great Plains, CRM etc]

".approved the onerous Licensing 6 program when many companies were hurting economically thereby pissing off a good portion of our customers and fueling the move to Open Source.

".has been at the helm as MSFT failed to take security seriously and then has had to drop everything to play catch up, missed the paid search move and had to play catch up, missed the move to web services and had to play catch up, missed the portable music wave and had to play catch up, let IE stagnate and had to play catch up, and now seemingly can't ship any major product on time even stripped of formely core features (can you say Longhorn, CRM, SQL, VS, etc. etc. etc?)."

[ps orgulhoso do pv: será que o Mini lê o Graffiti? Parece... kekeke...]


MS Bubble

Há um (grande) detalhe a ser considerado na avaliação dos testemunhos acima. Os funcionários da MS são 'shareholders'. Parte de sua remuneração (bonificação) é paga como stock-options (sorry camaradas que não podem nem ouvir falar nas opções que não exerceram pq nunca aquele ipo saiu daquele bp fdp). Sorry pelo desvio - não resisti. E.. hum.. camaradas: Lexotan, Maracujina ou Chá de camomila?

Voltando: a MS mantém um tipo de relacionamento que não é muito comum para a maioria de nós pobres informatas tupiniquins pj's e afins. Saca só o tipo de reflexo que isso gera:

"So there's the Catch 22: change is needed to avoid a death spiral and unless a death spiral becomes evident to all, external holders won't likely come out in sufficient numbers to force the board to make a change. Oh well, although there are lots of differences and it would be much harder with Gates/MSFT, it did happen to Eisner at Disney and our stock performance is even more Mickey Mouse (I know...couldn't resist)."

"I'm so pissed that I can barely convey it. I'm a longterm employee and I'm forced to sell an expiring set of options this year from 1998. What are they worth? Well, I haven't looked at the price today but it was less than $1 a share last week based on our 1998 strike price."

"Fuck that. I should go work for Google, Apple or anyone else who can grow their stock and actually ship something."

Houve uma bolha MS? Há uma bolha Google? Haverá sabão para tanta espuma?
Me preocupa mais o seguinte tipo de comentário:

"The core problem is that nobody (at least in the product group) here gets paid on things that directly relate to executing on business needs. Sure, I'd love to ship my product on time but you know what? I'll still get paid if I don't. Have my whole team work 80 hours a week to meet a goal? We'll get a nice pat on the back and maybe an afternoon at a pool hall. If you do enough of this stuff your bonus might go up a few percent and you'll maybe even get a raise that beats out the inflation rate, but that's about it. It's not going to get me a bigger house or a new car or anything..."

"Now a new pay scheme, scheduled to go into effect this fall, threatens to make the gulf even wider. If they meet incentive goals, the 120 or so vice-presidents will receive an eye-popping $1 million in salary a year, and general managers, the next level down, will get $350,000 to $550,000, according to a high-ranking source. But the rest of the staff is paid at market rates."

Por fim um que sinaliza uma parte dos "problemas culturais" veementemente negados por Ballmer:

"Within the last 5 years, almost every manager I had from PUM (2 levels below VP give-or-take) was hired externally. They were hired from companies that move at the speed of wood like Oracle, IBM, HP, etc. They are professional managers, not engineers with reports. And they think like managers. They have no appreciation for what it takes to engineer software. If you explain to them that filling out CheckPoint or spreadsheets for project tracking on *every piece of code you check in* reduces the productivity of engineers, they don't care. They like to see graphs and press buttons. They don't know anything whatsoever about writing code."


So What?

Q q eu (ou vc ou o cara aí do lado) tem a ver com isso, certo?

W/o enrolations:

1. Toda empresa tem altos e baixos, picos e fossas. Cada movimento é uma oportunidade única de aprendizado;

2. A MS tá em 90% dos computadores do mundo todo. De um jeito ou de outro ela nos afeta, certo?;

3. O 'mind-set' que a trouxe para o momento atual é o mesmo que inventou o Win4$less-people (starter edition); que jogou sujo com Netscape, Borland, SCO etc etc; que detesta padrões (SQL, UML, MDA, LDAP etc etc etc); etc etc etc. Há relação? Há chance de revisão?;

4. O Graffiti não terá graça nenhuma sem a MS.. ops.. hehe.. brincadeirinha;

5. A MS montou um ecossistema único (parceiros, profissionais certificados ..). Passou da hora de tratá-lo como comunidade de fato, e não como um apêndice, braço, ou [outra metáfora anatômica menos óbvia e mais ofensiva]. Tal ecossistema será diretamente afetado por qq mini-katrina, mini-rita que atinja a MS;

6. Se no 'beta 2' pré-'release candidate' da versão 3 o porco voar, o que será de nós? Veremos uma versão "cine-catástrofe" de "Magnólia"??

7. Ou o Pink Floyd resolve voltar e gravar "Pigs on The Wing (Part Three - The Death Spiral)"??

If you didn't care what happened to me,
And I didn't care for you
We would zig zag our way through the boredom and pain
Occasionally glancing up through the rain
Wondering which of the buggers to blame
And watching for pigs on the wing.

Há duas semanas ensaio este post. A amplitude, complexidade e 'sensibilidade' do tema o transformaram numa série (se tudo correr bem, de duas partes apenas - como a obra do Pink Floyd citada acima). Por batido que pareça o papo "a MS tá f&rr@d@", ainda mais neste espaço - que admite ter uma certa birra com a empresa do BillG (Billu para os íntimos) - aconselho a leitura do quem vem abaixo para todos envolvidos direta ou indiretamente com a MS. No mínimo há uma série de provocações, dicas e, pq não dizer, preocupações.

Começo explicando o nome da série: quando BillG insistia em ver um de seus "xodós" (WinFS) na próxima versão do Windows, seu pessoal técnico, atordoado, perguntava se "porcos podem voar". O símbolo ficou tão forte, diz a lenda, que vários PPTs (apresentações PowerPoint) passaram a ser ilustrados com lindos "porcos voadores". Daí pro sonzão do PFloyd foi um pulinho, né? E olha que eu nem me lembrava de "buggers to blame" ... sorry ... forcei a barra.

Boa parte do que apresento abaixo foi surrupiado da mídia tradicional (BizWeek, Forbes e ZDNet) e de um surpreendente blog não-oficial (Mini-Microsoft). Lógico que não abri mão de dar minhas marteladas. Let's talk.. sic.. Saca só:


Crisis, What Crisis?

Da Forbes, em matéria de 12/set chamada "Microsoft's midlife Crisis":

"What has gone wrong? Microsoft, with $40 billion in sales and 60,000 employees, has grown musclebound and bureaucratic. Some current and former employees describe a stultifying world of 14-hour strategy sessions, endless business reviews and a preoccupation with PowerPoint slides; of laborious job evaluations, hundreds of e-mails a day and infighting among divisions so fierce that it hobbles design and delays product releases.

"Morale would no doubt be better if Microsoft were still growing at 50% a year, as it was doing 15 years ago. Not counting one-time gains from option accounting, net in the fiscal year just ended was up only 19%.

"The Xbox game console is hot, but its division has lost $4 billion in four years and isn't yet in the black. The mobile-software division, also losing money, has just a sliver of the market for cell phone handsets. Microsoft Business Solutions, after acquiring Great Plains Software for $1.1 billion and Navision for $1.4 billion, is supposed to deliver $10 billion in sales by 2010. At its current 6% growth rate, MBS will attain that goal in 43 years."

A matéria da Forbes traduz os problemas em números. Poucos dias depois foi a vez da BusinessWeek, com a matéria "Troubling Exits At Microsoft". Atacou os problemas com um prisma diferente e ouviu o Ballmer:

"I think we have a great culture. It's a culture that encourages and fosters criticism, and constructive suggestions, and I love that about our culture. People criticize everything -- the way we do things, what we need to do in the marketplace, in our products, and lots of other things. That's a fantastic thing because it's only through that kind of strong culture that drives self-improvement, which is one of our core values, that we continue to try to get better.

"We certainly have the best pipeline of new innovation [over the next 12 months] we've ever had in our history. We obviously can always improve. We've set high expectations for ourselves. But, man oh man, have we got an incredible pipeline of innovation coming in the next year."

Traduzindo o "incredible pipeline": WinVista, Office, SQL Server 2005, Visual Studio 2005, BizTalk 2006. Acho que ele tá certo: a MS nunca lançou tanta coisa ao mesmo tempo. E daí? Daí que todos os produtos serão liberados com consideráveis atrasos. O mais crítico é o WinVista (ex-Berrante). Eu falava muito do 'gap' (o XisPê é de 2001) e do modelo (principal causa do 'gap'). Não dei a devida atenção ao "reset" do projeto WinVista (que originou os "porcos voadores"). Não foi só uma questão de cortar o WinFS. O WinVista tem dezenas de milhões de linhas de código. Uma matéria do Wall Street Journal (fechada - daí a ausência do link) mostra que quando solicitados a mostrar a "arquitetura" do WinVista, 2 líderes do projeto quase imitaram aquela engraçada propaganda do Visual Studio: rabiscaram páginas e páginas do flip-chart para mostrar a macarrônica interligação dos principais módulos do sistema operacional. Parece que Allchin quis criar sua lei parafraseando (surrupiando mesmo) a Lei de Moore (Intel)... Me lembrou o Fred Brooks e o projeto do OS/390. 4 mil programadores! O problema é que o projeto do Brooks é do final dos anos 60.
[update: no final dos anos 60 foi desenvolvido o OS/360! Falha lamentável.]
[update2: este post do George Ou (ZDNet) mostra um pouco mais do artigo do WSJ que citei acima.]
[update3 (ou "Graffiare #168"): "There're weaknesses in everything we're doing today, but it's such a huge step up from where we were." - Jim Allchin, no WSJ.]
[Btw, em breve uma série especial homenageando os 30 anos de "The Mythical Man-Month", de... Fred Brooks]

Voltando ao Ballmer. Em um webcast exclusivo para funcionários ele falou (comentando os artigos da BizWeek e da Forbes): "Do we have a corporate culture problem? No."


Corporate Culture

A resistência do Ballmer em admitir problemas mal durou 1 semana: Dia 21/set a MS anunciou uma reestruturação. Todo o portfólio foi estruturado em torno de 3 áreas. Nomes sobem, nomes somem. E Allchin se aposenta logo após o lançamento do WinVista. Avaliação do memo por um insider (rebel-microserf):

... "why does it all have to be forward looking, positive reasons for doing the reorganization? What's wrong with a little bit of backward looking honesty as to why it was best to do a reorganization? Was Windows a mess? Was MBS adrift and in need of a strong Office integration strategy? Were mistakes made? Admit at least there were and are problems and that the reorganization is going to be effective in dealing with those problems and that executive management will be held accountable for making sure that is so."

É mais comum que a gente imagina, né? Essa mania irritante de fingir que tá tudo bem. Não há nada pior para uma organização. Então a MS tomou porrada. A mídia explicitou alguns 'nervos'. Poucos dias depois a MS anuncia uma 'reorg' e quer que a velhinha de Taubaté (in memoriam) acredite que não tem nada a ver com seus problemas atuais? Já vi tal desperdício de oportunidade (de 'reality-shock 360°') n vezes. Resultado comum: outra 'reorg' em 6-12 meses. Daí que mantenho minha última aposta: Ballmer tá fora ao término do ano fiscal 2006 (que na MS encerra-se em junho).


Para muitos (funcionários!) BillG deveria ter o mesmo destino!!!
Papo muito sério. Fica para o próximo capítulo.

graffiare #167

26 setembro 2005

"You don't lead by pointing and telling people some place to go. You lead by going to that place and making a case."
- Ken Kesey

Fuck / LOC

23 setembro 2005

Taí uma métrica que eu não conhecia: nº de ocorrências da sutil palavrinha "fuck" por "linhas de código", hehe. Aqui tem um contador de ocorrências desta e outras palavrinhas sutis no kernel do Linux.

Tnx Braga!

"They Google, Flickr, blog, contribute to Wikipedia, Socialtext it, Meetup, post, subscribe, feed, annotate, and above all share. In other words, the Web is increasingly less about places and other nouns, but verbs."
- Ross Mayfield

Ancient Pixel Fun

20 setembro 2005

By Scott E. Berkun
(publicado na Wired)

I'm bored with high-tech home video games. There's not much happening behind those high-res graphics and ultra-violence. When I want to play real video games, I hook up my old Atari 2600.

With Atari, the games are simple. Basic block elements make up all of the action - you won't find any pretty pictures or special attack moves. There is a blip for you, and a blip for the other guy, and you just go at it - not hand-to-hand like Street Fighter, but mind-to-mind, like Warlords, an old Atari classic. In Warlords, you must defeat three immobile characters to win. The super-low-res game has only four colors, but it works. You succeed by outsmarting others - not by knowing the secret moves or by pressing buttons faster.

Every good Atari game has its own inherent challenge, its own subtle complexity. The challenge of these games is the same as in chess. It's not how cool the knight and rook look, but what you do with them that makes chess a great game. Can this be said for most of today's video games?


ps do pv:

Não. Mas do Winning Eleven, sim!

O último "melhor momento" tinha ocorrido aos 15min. Respeitando as damas e crianças que podem cair por aqui, não vamos ficar requentando o carrinho criminoso do centro-avante Ballmer, seguido de palavras de baixíssimo calão e altíssimo teor de 'medo-da-degola'*.

Mas é legal quando passa uma semana como a última. Parece que os eventos de F&A (fusão & aquisição) são contagiosos como um bocejo. Inversamente proporcionais em seu aspecto "animação", diga-se de passagem. Os outros times estão sendo montados em pleno campeonato! Então a Oracle segue bem 'Real Madrid', o eBay deu uma de 'Lyon' e a CPM espera alguém que não tenha nada de 'Bahia' ou 'Vitória'.

MS e Google ficaram só olhando. Até que a MS resolveu que precisa de um bom lateral-direito reserva. Bateu o olho na AOL e seus milhões de assinantes. Pensou: "belo perfil pra dar uma agitada no MSN". Será que ninguém na MS verificou que a AOL gera US$380 milhões em receitas para o Google? Tsc.. a AOL é meio 'Cafu' mas agora o leilão já começou. Que sorte do 'Cafu'...


* Considerando que o jogo terá a duração do ano fiscal da MS (ou seja, encerra-se em junho/2006 - Copa do Mundo!!), segue aqui outro chute daqueles: o Ballmer será demitido antes da copa. Centro-avante tem que fazer gol...

...e o cara fica pensando que é juiz?!?

Dieta dos Sonhos

19 setembro 2005

Start with the Firefox browser from and make it a Web developer's primary target; the object of an AJAX scripter's dream; a parser's parser; the rose on a Web services vine; the easiest endpoint for object, relational, and XML data connectivity. Make it open, fast, and rich — but not too rich — in UI niceties. Make it secure and easily up-dateable. Let me use a headset for VOIP calls. Let me synch to my cell phone and/or iPod through it, too. This software client, which Oracle, of course, would donate back to the appropriate open source communities with a no strings-attached and unfettered license, would be what Internet Explorer could have been but never will be.

For enterprises, put an Oracle data cache on the client, if you must, for those odd offline times and speedier performance requirements. And, oh, well … fine, optimize it to perform best with Oracle RAC applications and stripped grid data servers. Fine. I can live with that. Just let me live in the thing as a user across all my REST/POX, SOAP, SIP, VOIP, and DHTML productivity needs. A truly unified thin client. Ahhhh.

But don't wait. The newest Microsoft Office 12 clients-as-rich-front-ends stuff won't arrive for 14 months, and not enter the market in a meaningful way for probably 20 months, so now's the time to get the new definition of thin-client computing out the door. That way the ISVs, corporate developers, on-demand services providers, SOA architects, and mobile carriers will see the true future, the one of choice, freedom, and the services fabric. Hell, even Benioff will like it, even if software is ended.

Oh, and if Oracle is not into this right now, too busy with M&A details, for example, how about you, IBM? Whattaya say? We could call it Wicked WorkPlace, or something catchy like that. Market it as Multi-Protocol, Client-Enabled Portal-Optimized Middleware (WebSphere MPCE-POM), as you are wont to do, if you must. Just get it done.

After a week like this, you have to dream.

Surrupiada da ZDNet.

ps do pv: Só não creio que Oracle ou IBM, mesmo compartilhando (concorrendo com) o mesmo sonho, sejam capazes de realizá-lo.

"It’s surprising how few mainstream users, of anything, customize. All the data I’ve ever in my career (web,software, etc.) is on the order of 10-30%, and that 10-30% correlates with advanced, savvy, early adopter, industry types: e.g. most of you reading this. I posit that most people, for most things in life, live with the defaults (I mean this about software and life in general)."
- Scott Berkun


16 setembro 2005

Um dia eu ainda vou desenvolver um projeto assim. Pegar uma cambada bem fera, jogar todo mundo num sítio lá pros lados de Vga, e colocar um paralelepípedo no acelerador... hehe

Se entendi direito (não li quase nada), é a cambada do link ali de cima que tá escrevendo o tal do Flock. Desnecessário dizer que, se confirmado, será o browser mais "doidão" de todos os tempos...

ps do pv: tem um "Qzinho" de cultura beatnik bastante atraente.

Ontem comentei que Bill Gates reluta muito em reconhecer que o mundo do Software Livre desafia sua definição de "inovação". Deve ser um tanto constrangedor perceber que um modelo que não dispõe de fábula$ em verbas de P&D está se provando mais eficaz em uma série de frentes. Mas enquanto o Gates insistir na desqualificação rasteira (saca só um trechinho de sua última entrevista para a ZDNet: "There are some zealots that think there should be no software jobs, that we should all, like, cut hair during the day and write code at night") ele não sairá do lugar.

Scott Berkun* trabalhou para o Gates por 10 anos. Saiu em 2003. Coordenou e ajudou a projetar o Internet Explorer, da versão 1 até a 5. Ou seja, sempre teve o IE como uma cria. Um relacionamento (apego) que só quem projeta algo sabe explicar direito (já tive sérios problemas com tal 'passionalidade/paternalismo', hehe).

Pois bem, o Berkun explicou em seu blog pq mudou para o Firefox. Saca só alguns 'highlights':

IE is a ghetto. There are specs I wrote for UI features in 1998 that are unchanged today, 7 years later, in a world where browser usage has changed dramatically. I’ve watched bugs that I fought to have fixed in 5.0 become regressions, appearing in 5.01 and surviving in 6.0. Even though it’s the product I was proudest of, using it now makes me sad.

Firefox feels to me like what IE 6.0 should have been (or what i expected it to be after I left the team in ‘99). It picked a few spots to build new features (tabs), focused on quality and refinement, and paid attention to making the things used most, work best. The core UI design is very similiar to IE5: History/Favorites bars, progress UI, toolbars, but its all smooth, reliable and clean.

One of the big challenges in designing software is balancing the requests of earlier adopters in the community, with the needs of the majority of more mainstream users. After playing with mozilla on and off I was afraid firefox would be a built for programmers by programmers type experience. It’s not. I don’t know who in the firefox org was the gatekeeper on features and UI, but I’d like to meet him/her/them (seriously). They did a great job of keeping the user experience focused on the core tasks. If you’re reading please say hi.

Berkun parece diferente, né? A humildade que ele mostra neste último parágrafo (lembre-se: ele era o 'gatekeeper' do IE) não é muito comum em nossa área. Principalmente nos escalões de cima.

Reparem que ele dá uma bela dica para o Gates (direcionar melhor aquelas fortuna$ torrada$ em P&D): "They did a great job of keeping the user experience focused..." Engraçado que Berkun 'ensine' em seu livro* como equilibrar Requerimentos Funcionais, Tecnológicos e do 'mercado'.

Cientistas-Pesquisadores (e vários técnicos/usuários) da MS costumam ficar muito vislumbrados com algumas soluções técnicas que, no final das contas, não significam absolutamente nada para quem realmente importa: o usuário.


* Scott Berkun lançou há pouco tempo o livro "The Art of Project Management". De forma lenta (cuidadosa e estudada) estou finalizando a leitura. Oportunamente comentarei mais detalhes sobre o livro aqui. Por hora só posso dizer que é muito bom. Não é todo dia que vc pode aprender com um cara que coordenou projetos para o Bill Gates por 10 anos...

Saca só:


Tipo de Emprego: Desenvolvedor Java Junior
Localizacao....: São Paulo

A XPTO S/A contrata profissional com os seguintes conhecimentos:

- Bons conhecimentos em Java (pelo menos 1 ano de experiência)
- Conhecimento em Orientação à Objetos
- Conhecimento em desenvolvimento voltado para a web
- Conhecimento das notações UML (leitura)

Serão considerados diferenciais:
- Conhecimento dos frameworks Hibernate, Struts, Ant, Xdoclet, Velocity, Maven
- Conhecimento em modelagem UML
- Formação acadêmica em instituição de renome

Buscamos profissionais interessados em estabilidade profissional. Esta contratação
será por tempo indeterminado.

Valor por hora: R$ 11,00


Ou exatos R$ 1760 por mês.. o anúncio é real. Foi publicado em um grupo de discussão Java. Só editei o nome real da empresa pra evitar amolação. Será o fundo do poço, fase ou erro de digitação?

Acho que já comentei 'brevemente' por aqui: Desde 98 nossos "valores de referência" são praticamente os mesmos. Agora, com a esfarrapada desculpa Carr(asca), ou seria "indiana", ou ainda um 'teórico' excesso de oferta*, começarão a derrubar os "valores de referência"?


* Acho que é falta de projeto e competência mesmo, não necessariamente nesta ordem.

Desde 2ª tá rolando em LA o MS-PDC (Professional Developers Conference). Muito bit-byte, alguns lançamentos e algumas coisas requentadas. Vou destacar só 3 pontos.

Primeiro, a piadinha. Bill aproveitou o sucesso do filme "Napoleon Dynamite" e fez uma auto-piada. Napoleon, no filminho transmitido no evento, acabou tomando o lugar do próprio Bill. Falta ver o filme pra achar a graça mas... tudo bem.

Agora a piada de péssimo gosto: a MS não vai mais suportar a UML (Unified Modeling Language). Com uma desculpa esfarrapada de que UML não entrega o que promete, que só serve para documentação (e não como apoio ao desenvolvimento de sistemas), a MS passa a promover uma tal DSL (Domain Specific Language). O que o resto do mundo conhece como MDA (Model Driven Architecture), que é totalmente baseada em UML (ambas são mantidas pelo OMG - Object Management Group), na MS será conhecido como Software Factory... blergh...

Seguinte: a MS não gosta de padrões. Não gosta de 'negociar' padrões com iguais. TODO MUNDO sabe que UML ainda tem muitos "problemas". Ao invés de sentar e sugerir alterações, a MS optou por recomeçar praticamente do zero... uma lástima. Há pelo menos 8 anos muita gente vem investindo muito em UML. Tô falando de usuários e desenvolvedores, não só de provedores de tecnologia. A MS não pode, de uma hora para outra, simplesmente propor uma troca (que é muito radical). Demoramos décadas para chegar em uma linguagem de notação realmente unificada, padronizada. É ridículo (e de certa forma perigoso) que a MS simplesmente vire para uma multidão de desenvolvedores e fale: "esquece o que eu falei sobre UML. Esquece que no Visual Studio 97 eu inseri um tal 'Visual Modeler' (Rational Rose super-light) e disse que modelagem (em UML) era algo importantíssimo para o desenvolvimento de software de qualidade. Esquece que movi mundos e bugs pra tentar fazer do Visio uma ferramenta CASE séria. Com total suporte a UML. Esquece.".

Nada me tira da cabeça que se trata de uma birra. Corre em bastidores, há tempos, que MS e IBM brigaram muito pela aquisição da Rational. No final do leilão, que estaria empatado, Los Tres Amigos (Booch, Jacobson e Rumbaugh - sócios na Rational) optaram pela IBM. Pronto.. Agora tudo que eles criaram ou ajudaram a criar (UML, Rose, diagramas de casos de uso, MDA, etc etc) virou "lixo" pra MS...

Assim a MS acaba parecendo uns times de futebol que conheço: que criam suas próprias crises em seus melhores momentos. Explico: o novo Visual Studio, particularmente a versão Team System, é uma ferramenta surpreendente. Estou brincando (e brigando) com ele há algumas semanas*. A forma como ele 'informatiza' momentos cruciais do ciclo de vida do desenvolvimento de sistemas é muito legal. Passo sério pra gente começar a acabar com a fama "casa de ferreiro espeto de plástico". Precisava mexer com linguagem de modelagem agora? Vai entender..


* Falo mais sobre o VSTS 2005 em breve, inclusive comparando-o com o Eclipse e seu Application Lifecycle Framework, que tem uma proposta muito parecida.

Mr Billu, nesta entrevista para a ZDNet, confirma minha percepção: o Google é o pior inimigo da MS. (hehe.. não precisa ser nenhum bidu pra ler a palma da mão do Billu, né?)

Curiosa mesmo é a explicação do Billu para o auê em torno do Google. Para Gates eles estão em lua-de-mel. Ou seja, as pessoas pensam que eles "podem fazer de tudo, de todas as formas, o tempo todo"!! Wow... whataf***inghoneymoon!!! hehe. E o Billu foi além: "É a mais duradoura lua-de-mel que eu já vi"...

E a gente que vive implicando com as metáforas de nosso presidente.. hehe

Agora falando sério: Gates destaca, de uma forma feliz, o que diferencia MS do Google. Saca só: ..."they have this slogan that they are going to organize the world's information. Our slogan is that we are going to give people tools to let them organize the world's information. It's a slightly different approach, based on the platform-ization of all of our capabilities and not thinking of ourselves as the organizer."

Pena que ambos sejam muito iguais no mesmo erro: não perguntar o que a gente prefere. Seguem torrando bilha$ tentando adivinhar...

Btw, Gates segue insistindo num erro grosseiro: falar que o modelo 'open source' não tem grana pra investir em P&D. Ele não reparou que algumas inovações que o incomodam bastante nasceram exatamente no universo 'open source'? Quando ele vai sacar que 80% de seu generosíssimo orçamento de P&D vai direto pro ralo?

Faça um teste: Pega qq corajoso que tenha instalado a versão beta do Win 6.022^23 (aka Vista). Fala pra ele o que é o Looking Glass... Comenta sobre o Flock...

E aí? Será que inovação é só "verba de P&D"? tsc, tsc...

... mais quente que o nosso! Saca só o espírito beligerante/'desperado' da Sun:

Mas, provocação mesmo foi sobrevoar a sede da Dell... assim:

(Clique para ver imagem ampliada)

We're introducing the world's most innovative social browsing experience. We call it the two-way web.

Deve bater desespero né? Digo, no pessoal da MS. Eles mal alcançam o Firefox (com o 'quase-pronto' IE7) e aparece algo totalmente novo. É o Flock, com promessas tão inovadoras que podem redefinir o conceito de 'browser'. Aliás, eu nem chamaria mais de 'browser'.

A Wired apresenta melhor nosso novo-futuro-brinquedinho.


12 setembro 2005

Por enquanto tô merecendo o apelido aí. Minha canhota não riscou nem a trave nos chutes que batizei de "Lógica da Frigideira". Meu maior erro: ignorar totalmente o apetite voraz de Larry "SuperSizeMe" Ellison. Como foi amplamente anunciado no início de maio, a Oracle papou o filhote de seu mais ilustre ex-funcionário: a Siebel.

US$ 5,8 bilhões!! Saiu caro ignorar a visão de seu ex-vendedor Thomas Siebel? No meu ponto de vista até que não. A carteira (e, em 2º lugar a tecnologia) que a Oracle está assumindo poderia ter custado bem mais se desenvolvida internamente. A Oracle definitivamente assume seu perfil "costureira" no mercado de TI. Se souber ignorar alguns dos retalhos, substituindo-os por tecnologia mais "antenada", pode se posicionar de forma a incomodar muito não só a MS (como indica este post da ZDNet), mas principalmente a alemã SAP.


Outra variável que mostra a total falta de preços de referência na frigideira maluca que virou nosso mercado: o eBay abocanhou o Skype por US$ 2,6 bi!!! E aí? O Skype saiu caro demais ou a Siebel custou uma bagatela? Quer outra variável? Dizem que o Google vale US$ 80 bi. Assim como dizem que o eBay, já já, vira aquele peixinho amarelo ali de cima...

"You have to be a romantic, if you want to see the future."
-Kathy Kachelries [365tomorrows]

ps do pv: falo sobre o 365tomorrows aqui.

Trinta e poucos dias de debate-papo em torno do mesmo tema: Arquiteturas Orientadas a Serviços (SOA). Pra desgastar um pouco mais um dos mais usados clichês dos novos tempos: debate-papo de alto nível "não tem preço".

Como eu já esperava, meu explícito entusiasmo com o tema bateu de frente com um forte ceticismo de vários colegas calejados. Correndo o risco de desmerecer suas valiosas contribuições faço o seguinte resumo: "SOA seria um rótulo novo em um produto velho" - "Roupa Nova, Sapato Velho". Será?

Sim e não. Lógico que se trata de mais uma tentativa de "alinhamento estratégico" de nossos ferros, caixinhas, mágicas e abstrações com o tal Negócio. Uma tentativa que não foi desenhada 'from scratch'. Daí a sensação de déjà vu. Mas SOA também rabisca em nossas agendas uma série de novidades: modelos, funções, ferramentas, 'metodologias', profissões e dores de cabeça.

Fiquei feliz ao descobrir que algumas grandes organizações tupiniquins já trabalham no tema. Apesar de não acreditar nas previsões bombásticas de gartners, idc's e afins, não tenho dúvidas de que SOA está no horizonte de diversas grandes e médias empresas. As promessas de agilidade e redução de custos são sedutoras demais para serem ignoradas. Serão realizadas? Ou veremos em breve os mesmos epitáfios "eu te disse! - eu já sabia!" que legendam lápides de iniciativas ilustres como crm, plc etc?

Quem sabe?

O que estou aprendendo é que diversas das práticas, métodos e modelos 'provocados' por iniciativas SOA podem ser úteis HOJE. Estejamos ou não disparando (intencionalmente) um Programa SOA. Trata-se de um dos raros casos de implementação de larga escala que pode começar da forma mais mineira possível: quietinha, "comendo pelas beiradas".

So What?

Bom, conforme prometi na divulgação do trabalho, estou promovendo encontros para debater o(s) tema(s). Eles são divididos em 2 momentos: i) Apresentação; ii) Debate. Simples assim. E duram enquanto o papo estiver produtivo.. hehe. Procuro distribuir o tema igualmente nas 3 dimensões: Pessoas, Processos e Tecnologia. Mas, como meu trabalho indica, há uma ênfase especial no debate de Processos (métodos, padrões) e na Gestão de Projetos e do Programa SOA.

O próximo encontro acontecerá no campus Centro da Universidade Anhembi Morumbi. Mais detalhes abaixo:

Local: Universidade Anhembi Morumbi - Campus Centro
Endereço: Rua Dr. Almeida Lima, 1134 - Brás (Como chegar)
[Dica: Bem pertinho da estação Bresser do metrô]
Sala: 307

Data: 13/Setembro (terça-feira)
Horário: 20h00

Além dos tópicos tratados no artigo já publicado, ou seja: i) SOA - Conceitos Básicos; ii) O Programa SOA; e iii) Projetos SOA, debatemos também sobre:

. Arquitetos e outros roles (oportunidades?)
. SOAD - Service-Oriented Analysis and Design
. Primeiros Passos

O último tópico aí é tipo "Implemente uma SOA em 24 horas"... hehe... Tô brincando! Tô brincado.

Seguinte: a sala tem capacidade para 60 pessoas apenas. Então peço-lhes encarecidamente que confirmem sua presença por e-mail o quanto antes. Ah, e como em toda 'boa' proposta o preço tá no fim, certo? Bom, o evento custará a bagatela de P$ 0,50 (meia pataca) que, convertida no câmbio de hoje resulta em aproximadamente R$ 0 (zero reais).

Observação Importante: Não se trata de evento patrocinado por nenhuma empresa. Não tem nenhum produto ou serviço sendo vendido (exceto os salgadinhos e refris da lanchonete da facu).


Agradecimento: Tks tks pra Anhembi Morumbi que mais uma vez nos cede uma sala sem nenhum custo e com todo o apoio. Tks principalmente para os Profs. Fabiano Prado Marques e Nelson Shimada.

Eu usei o Freeway (Atari 2600)para comentar os duelos da MS com seus 7 maiores inimigos. Steve Gillmor (ZDNet) optou pelo Coyote e o Bladerunner para ilustrar o principal duelo: MS X Google.

Saca só:

"My in-laws bought my daughter an $800 Windows desktop system. She's used to her Mac laptop, so instead of using the Office Standard edition (times out in 60 days), I booted the Mac, shared Internet access through the Ethernet port, used the Mac's Mail app to register a Gmail account, and logged on from the PC. I set up Gmail to stuff her personal email account into outgoing Gmail's From field, and set up the laptop to pull Gmail POP3 to Mail for an offline store. Goodbye Office.

What, you say, no word processor? Well, I could have her download Open Office, but for now I just have her write in Gmail and use its spellcheck, then paste into whatever blog app I set her up with, probably Flickr so she can mix in images. So far I'm resisting Google Desktop due to its lack of a Mac counterpart, but its notes engine is very promising. Then there's Web Clips, which lets us flow RSS feeds into the store. Add it up, it's read/write with a bootstrapped offline model while we wait for EV-DO. Game over.

Game over for what? says Farber. For business users? It's Office 97 in reverse, Dan. Over, around, through IT. No calendar? Hack iCal on the Mac with Automator to send alerts to Gmail and SMS to cell. Collaboration? Use RSS out and Web Clips in for document review, IM chat storage, even enclosure staging. Lucovsky: [I]t's a mistake to think that HailStorm is not also focused on individuals in a business context.

Beep Beep"

Mostra de uma forma bem prática como Google (#1) e SaaS (Software as a Service - #2) são os 2 maiores inimigos do Billu. Vs integral do post do Gillmor aqui.

Mac OS X no PC (Intel) não depende mais da vontade do Jobs!

Seríssima candidata a frase do ano. Pena que é do ano passado. Saca só um resumo do episódio (pra lá de dramático):

Mark Lucovsky, 'senior engineer' da MS entra na sala do Ballmer e pede demissão. Ballmer pede:

- Just tell me it's not Google.

Mark confirmou que Google era seu destino. E narra o restante da história:

- At that point, Mr. Ballmer picked up a chair and threw it across the room hitting a table in his office. Mr. Ballmer then launched into a tirade about Google CEO Eric Schmidt. "I'm going to f***ing bury that guy, I have done it before, and I will do it again. I'm going to f***ing kill Google."

Tudo aí só apareceu pq a MS tá processando o Google. Tudo começou com a contratação pelo Google de outro engenheiro da MS, o samurai Kai-Fu Lee.

"Meu garoto!"


Lembro (com fins exclusivamente provocativos) que há exatos 69 dias registrei a seguinte declaração do Mr. Ballmer:

"In the next six months, we'll catch Google in terms of relevancy."

É mais elegante que o "f***ing kill", né?
Mas igualmente inexequível.


Btw, pra quem não viu: fiz uma lista com os 7 maiores inimigos do Billu (e do seu grande garoto Ballmer). Dei uma medalha de bronze para "software livre". Este artigo do Dana Gardner (ZDNet) explica melhor que eu.

graffiare #160

05 setembro 2005

"What does not destroy me, makes me stronger."
- Nietzsche


ps do pv: Até gripe!

graffiare #159

02 setembro 2005

"Olho por olho... e o mundo acabará cego."
- Gandhi

graffiare #158

01 setembro 2005

"I have been saying for many years that we are using the word ‘guru’ only because ‘charlatan’ is too long to fit into a headline."
- Peter Drucker