Sobre

Graffiti \Graf*fi"ti\, s.m.
desenhos ou palavras feitos
em locais públicos. 
Aqui eles têm a intenção de 
provocar papos sobre TI e afins.

O Graffiti mudou!

Visite a nova versão em pfvasconcellos.net

- Como vou saber que não foi você quem copiou nosso programa?


- Já pedi que nosso departamento jurídico verificasse a possibilidade de processá-lo pelo que você tem escrito na internet sobre a nossa empresa.

- Por acaso você registrou termos como "entendendo o negócio"?

- E quem disse que não podemos ter um programa parecido com o seu?

- A MS lança um treinamento e no dia seguinte tem uma dezena de similares no mercado.

- Se você escrever isso eu vou te processar.

.:.

Pois é, sou mesmo um bandido. Há três anos desenvolvo um programa que custa horas e muito dinheiro. Parentes e amigos mais próximos sabem quanto isso custa. Duas mil testemunhas já foram treinadas neste programa. Um programa que, lá quando nasceu, foi apresentado na UFSCar, UFLA, UNESP e outros estabelecimentos de ensino. Um programa cuja maturação é documentada de forma pública, em um blog. Um programa que já foi contratado por algumas das maiores empresas do Brasil.

Não importa... sou mesmo um bandido. Meio excêntrico porque "quero aparecer".

Por essas e outras, cedo ou tarde, jogo tudo pro ar e vou plantar bananeiras. Só pra ver se, de cabeça pra baixo, o mundo fica menos invertido.

8 responses to "Sou um Bandido"

  1. Paulo,
    É brincadeira ler um negócio desses.
    É o "capim comendo a cabra", o mundo está perdido.

    Precisando de testemunhas...
    Abraços,
    Leonardo.

    Leonardo Fortunato

  2. Oi Leonardo,

    Pois é! Mas valeu meu caro, muito obrigado pela oferta!

    Sinceramente, espero não precisar.

    Abraços,

    Paulo

    Paulo Vasconcellos

  3. Paulo,

    Em seu lugar insistiria na divulgação dessa barbaridade até que desistam de roubar descaradamente o seu trabalho. Ou o que é melhor, até que decidam abrir um processo contra você.

    Essa será uma oportunidade excelente para revelar quem está com a razão e quem prejudica quem.

    Depois pode ser a sua vez de acioná-los pelo dano moral. Eu sei que não é sua intenção, mas fique tranquilo porque depois disso tudo vai sobrar um dinheirinho para iniciar a plantação de batatas e demais tubérculos.

    Abraço,

    ASF

    ASF

  4. Oi Antonio,

    Vc viu o post mais recente?

    http://pfvasconcellos.blogspot.com/2009/09/quem-nao-chora-nao-mama.html

    Os caras finalmente alteraram o programa. Meu caro, agradeço sua dica e preocupação. Mas confesso que fiz de tudo para evitar a alocação de advogados e afins. Custou, mas funcionou.

    Abraços,

    Paulo

    Paulo Vasconcellos

  5. Paulo, nem precisei ir tão longe quanto você para ser plagiado. Lembra do meu PPT sobre análise de negócios para iniciantes, no qual eu faço referências ao IIBA, ao Howard Podeswa e à você?

    http://www.kerber.com.br/portugues/?p=220

    Pois é, parte do texto (O que é análise de negócios) foi copiada na cara dura na página de uma empresa que oferece curso na área:

    http://sisnema.com.br/Materias/idmat020051.htm

    O mais interessante é que o texto é em primeira pessoa, o que torna o plágio mais doloroso ainda. Agora, o que me mata é que ele aparece antes no Google do que o meu, o original!!!

    Quem escreveu aquilo fui eu! Já estou torcendo para que esteja conceitualmente errado...

    Aguenta firme, vamos trabalhar com respeito aos direitos autorais que aos poucos o mercado vai se limpando.

    abraço,
    Kerber

    Kerber

  6. Ô Kerber,

    Você usou algum tipo de licença, tipo Creative Commons ou afins? Não é primordial, mas ajuda na hora de reclamar.

    Vi que a empresinha em questão é de PoA - são gaúchos, meu. Como você.

    Sei que muita gente não aprovou meu método de combate aos piratas, mas ele provou eficácia. Ou seja, se eu tiver que dar uma dica é só essa: ataque os caras. Escancare na Web o modus operandi desses beócios esbodegados e liliputianos! hehe..

    Boa sorte! Abraços,

    Paulo

    Paulo Vasconcellos

  7. Beleza Paulo, só uma questão, não sou gaúcho, sou catarinense tchê!

    Sobre atacar, falo com eles antes ou depois?

    Kerber

  8. Uai Sô,

    sei lá pq pensei q fosses um gaúcho radicado na bela Ilha.

    Sobre atacar: eles te perguntaram alguma coisa antes de surrupiar seu trabalho? Então pq mereceriam tanta atenção?

    Eu sei, é feio. Mas foram eles que atiraram antes e não perguntaram nem depois.

    Abraços,

    Paulo

    Paulo Vasconcellos

Leave a Reply