Sobre

Graffiti \Graf*fi"ti\, s.m.
desenhos ou palavras feitos
em locais públicos. 
Aqui eles têm a intenção de 
provocar papos sobre TI e afins.

O Graffiti mudou!

Visite a nova versão em pfvasconcellos.net

Portanto, não me chamo mais Steve Ballmer. Há tempos eu dou como certa a aquisição do Yahoo pela MS. Acertei na investida. Errei feio na conclusão. A MS, que não desistia nunca, desistiu. Ballmer:

Although the acquisition of Yahoo would have accelerated our ability to deliver on our strategy in advertising and online services, I remain confident that we can achieve our goals without Yahoo.


Ballmer teimou na aquisição - sabe que a tal "aceleração de habilidades" seria *muito* considerável. Mas depois melou tudo, teimando no "baixo" valor:

I won't go a dime above, and I will go to what I think it's worth if that gets the deal done.

Acho que ninguém nunca saberá, mas creio que o valor "alvo" da turma do Yahoo era US$ 35/ação, o que levaria o valor total da transação para US$ 50bi. A oferta inicial da MS foi de US$ 31/ação. Na sexta ela aumentou o valor, provavelmente em 1 ou 2 dólares. Ou seja, acho que passou bem perto.

Yang segurou a vontade e secou a saliva da boca dos principais investidores do Yahoo. Só uma bela carta na manga (curta) justificaria tamanha coragem. A carta tem nome: Google de espadas.

E Ballmer errou de novo: a MS não seguirá sozinha. Sabe que não pode. Próximo alvo: AOL.

3 responses to "Errei! A MS desistiu..."

  1. Bela repaginada no Graffiti, Paulo. Gostei!

    Para mim, o grande erro da MS, em toda essa história de aquisição do Yahoo!, foi ter gerado a idéia da aquisição hostil.

    Talvez o Ballmer - após uma troca geral do mobiliário de Redmond... rs! - tenha percebido que o desgaste para a imagem de sua empresa seria gigantesco (como foi, efetivamente), e tenha desistido da idéia.

    Amplexos,

    Nelson Biagio Junior

  2. A abordagem do Ballmer, diga-se de passagem completamente inapropriada e mal conduzida (bem ao estilo que ele vem imprimindo a MS desde que assumiu o cargo de CEO), despertou uma reação excessiva e contrária ao negócio tanto dentro Yahoo!, quanto de uma menira geral, em toda a indústria.

    Não tardou os caras do Google entrarem em ação para neutralizar a investida. Infelizmente tão cedo não conheceremos os detalhes dessas manobras, talvez nunca.

    Resta esperar que algum dia seja publicado algo como o ótimo "The Google Story: Inside the Hottest Business, Media, and Technology Success of Our Time" (http://www.thegooglestory.com/).

    Afinal é didática é a passagem que descreve como Sergey Brin e Larry Page reverteram um negócio praticamente fechado entre Yahoo! e o braço europeu da AOL, envolvendo a comercialização de publicidade on-line e buscas.

    antoniofonseca

  3. Oi Nelson e Antonio,

    Tks! Essa é velha mas apropriada: o Ballmer tem a sutileza de um elefante cego numa vidraçaria! hehe..

    Enquanto esperamos, recomendo a leitura de "A Busca", de John Battelle.

    Abraços!

    Paulo Vasconcellos

Leave a Reply